segunda-feira, 5 de abril de 2010

consciência perfeita da felicidade superior imperfeita

Ora, é um facto incontestável que aqueles que têm um conhecimento igual e uma capacidade igual de apreciar e de gozar, dão uma decidida preferência ao estilo de vida que emprega as suas mais altas faculdades. Poucas criaturas humanas consentiriam em que as convertessem nalgum dos animais inferiores, a troco da promessa de um gozo pleno de todos os prazeres bestiais; nenhum ser humano inteligente consentiria em ser um louco, nenhuma pessoa culta em ser ignorante, nenhuma pessoa com sentimentos e consciência em ser egoísta e vil, mesmo que pudessem ser persuadidos de que o louco, o ignorante ou o velhaco estão mais satisfeitos com a sua sorte do que eles com a deles. Não quereriam abdicar do que possuem de superior, em troca da mais completa satisfação de todos os desejos que têm em comum com eles. Se alguma vez imaginassem querê-lo, seria em casos de uma infelicidade tão extrema que, para lhe escaparem, trocariam a sua sorte pela de qualquer outro, por muito indesejável que lhes parecesse. Um ser dotado de faculdades mais elevadas necessita mais para se sentir feliz, é provavelmente mais susceptível de um sofrimento mais agudo, e, com toda a certeza, em mais larga medida vulnerável a esse sofrimento, do que um de tipo inferior; mas, a despeito de todas estas desvantagens, nunca pode desejar verdadeiramente afundar-se no que ele sabe ser um grau inferior da existência. Podemos dar a explicação, que quisermos, desta repulsa; poderemos atribuí-la ao orgulho, nome que se aplica sem qualquer discernimento aos sentimentos mais estimáveis e a alguns dos menos estimáveis de que a humanidade é capaz; poderemos relacioná-la com o amor à liberdade e independência pessoal, que foi entre os Estóicos um dos meios mais eficazes para inculcá-la; ou com o amor ao poder, ou com o amor à excitação, que realmente contribuem para ela e dela fazem parte; mas o que mais apropriadamente podemos ver nela é um sentido de dignidade que, de uma forma ou doutra, todos os seres humanos possuem, não com as suas faculdades mais elevadas, constituindo uma parte tão essencial da felicidade daqueles em quem é forte, que nada que com ela colida pode para eles constituir, a não ser momentaneamente, objecto de desejo. Quem supõe que esta preferência implica um sacrifício da felicidade - que, em circunstâncias proporcionalmente idênticas, o ser superior não é mais feliz do que o inferior -, está a confundir as ideias, bem distintas, de felicidade e de satisfação- É indiscutível que um ser, cuja capacidade de gozar é baixa, tem maiores possibilidades de satisfazê-la totalmente; e que um ser altamente dotado sempre sentirá que, tal como o mundo se encontra constituído, toda a felicidade a que pode aspirar será imperfeita. Mas pode aprender a suportar as suas imperfeições, se de algum modo são suportáveis; e estas não o farão invejar aquele que é de facto inconsciente delas, a não ser que também não se aperceba do bem que essas imperfeições afectam. É melhor sr um homem insatisfeito do que um porco satisfeito; é melhor ser Sócrates insatisfeito do que um louco satisfeito. E se o louco, ou o porco, são de opinião diferente, é porque apenas conhecem o seu próprio lado da questão. Os outros, com quem os comparámos, conhecem ambos os lados.
Poderia objectar-se que muitos que são capazes dos prazeres superiores, por vezes, sob a influência da tentação, os pospõem aos inferiores. Mas isto é perfeitamente compatível com uma apreciação total da superioridade intrínseca do prazer mais elevado. Por debilidade de carácter, muitas vezes os homens se decidem pelo bem mais fácil, embora o saibam menos valioso; e isto tanto quando a escolha se faz entre dois prazeres corporais, como quando se faz entre o corporal e o espiritual. Buscam o gozo sensual que prejudica a saúde, embora saibam perfeitamente que a saúde é o maior bem. Poderia ainda objectar-se que muitos que começam por entregar-se com entusiasmo juvenil a tudo o que é nobre, à medida que avançam em idade caem na indolência e no egoísmo. Mas não creio que os que passam por esta vulgar transformação escolham voluntariamente a mais baixa classe dos prazeres, de preferência à mais elevada. Acredito que, antes de se entregarem exclusivamente a uns, já se tinham tornado incapazes dos outros. A capacidade para os sentimentos mais nobres é, em muitas naturezas, uma planta muito tenra, que morre facilmente, não só por influências hostis, como pela simples falta de alimento; e na maioria das pessoas jovens extingue-se subitamente se as ocupações a que a sua situação na vida as obriga, ou o meio social em que as lança, não permitem o exercício dessa alta capacidade. Os homens perdem as suas aspirações mais elevadas, tal como perdem a sua finura intelectual, porque não dispõem de tempo ou de oportunidade para as cultivarem; e entregam-se aos prazeres inferiores, não porque deliberadamente os prefiram, mas porque são os únicos a que têm acesso, ou os únicos que podem gozar por mais tempo. Poderia perguntar-se se alguém que tenha estado igualmente próximo de ambas as classes de prazeres, alguma vez preferiu serena e conscientemente a inferior; se bem que muitos, de todas as idades, se tenham consumido no intento inútil de combinar as duas.
Mill, John Stuart; Utilitarismo; Atlântica Editora; 1976; Coimbra, 2.ª Edição

8 comentários:

***GreenDay*** disse...

vou-te começar por fazer um comentário enorme em resposta aos teus, depois sim, aprecio os teus lindos textos =):
que frase linda...até me apertou o coração...identifico-me , o penultimo paragrafo é exactamente como me considero
não te preocupes que eu também não...mas em tempos passados por acaso seu andar bem de tacão, mas era só pelo significado da foto, eu tenho um pé minusculo -.-, mas não troco as minhas all stars por nada
hooo, não sejas ma x), eu sei que a foto está do pior, mas era a unica que tinha com ela xd, foi só uma brincadeira...tua até posso ser xD,a gora pega, humm não me parece, sou carente xDD
hoooo, até podes não gostar da foto, mas foi em contexto do texto xDDD, eu sei que sou assim um bocadinho ...sei la
tens toda a razão, nem tudo tem um fim, mas há certas coisas que sim, eu não sei se reparas-te em alguns comentarios dele, o texto foi dedicado a ele, mas eu sinto-me tão triste de como ele me trata
eu não gosto do Boss AC, mas tambem foi porque me dedicaram a musica, e achei fofinho
hooo obrigada amor, eu escrevi tipicamente adolescente, segundo tu...mas é o que sempre faço
hooo isso foi um elogio tão grande, obrigada...volto a dizer és uma querida, eu simplesemente acho que em todos os meus textos escrevo com tristeza sem motivo, mas ainda bem que gostas-te, os motivos são tantos que até eu fico confusa se sei qual é realmente a principal causa, mas novamente obrigada *-*
esse senhor estava certo, e quem sou eu realmente para os tentar descrever não é verdade
tens toda a razão, é exactamente isso, tu conheces-me tão bem
a historia é estupida, mas foi feita com significado, mas moderação, só me tentei exprimir, embora não o conseguisse da melhor forma, e a historia parece quase de terror, sei la
agora vou ler este texto

***GreenDay*** disse...

Loool...mas a frase é linda, eu quando poder escrevo-te um texto =)
haha...é o futuro amor, eu juro que tira-mos uma foto igual, xD...eu não morro sem ter relacções com uma rapariga, ok não te traumatizes =|
eu sei que sou, não tenho culpa....xD...não resmunges =)

***GreenDay*** disse...

esqueci-me de dizer, sim ja estudei...e adorei, mas não fiz nenhum epectaculo
não gozes, calço 36 xDDD, é dificil encontral all stars assim =)

***GreenDay*** disse...

haha...és mesmo tola
hooo, então mais vale do que ter um pezão xD
eu uzo all stars, originais, ou pintadas por mim, ou ocm pines, ou a imitar, ou do que quer que seja =)
hooo, até parece que eu tenho...e não é por isso que não tiro fotos assim, a roupa foi para uma brincadeira xD
hooo, tão querida *-*

***GreenDay*** disse...

eu sou a debaixo...e sei que não tenho corpo, eu sei...e tu tens que esquecer isso, eu entendi, mas tens tudo para estar a vontade, mas não fazerias por falta de coragem, ou vergonha? eu também tinha, mas os eu sinto-me bem ao pé dos meus amigos
hooo, és mesmo querida, obrigada pelos elogios =), mas não sei se as vezes exagero, mas é o que sinto
ele é horrivel, faz-me sentir mal, trata mal os meus amigos, não sei se deu para reparar, mas eu acabo por acreditar nele
quanto a ti, tu es fofa, e tens corpo,e cala-te que quem sabes ou eu, eu nao cosidero que isso te impeça de teres estes tipos de brincadeira =)
historia de terror- no sentido como me expresso "maravilhosamente"

***GreenDay*** disse...

eu entendo-te, mas para mim não és assim, e se dizes isso é porque não me viste bem, é que eu sinto-me super mal comigo mesma, com tudo que tenho, o meu corpo é horrivel, não é perfeieto
eu acho-te linda, e só o dizeres isso mostra que também não tens auto-estima em cima, mas eu não te quero ver assim, se eu fosse dizer os meus defeitos passava aqui uma tarde toda
e antes de te olhares por fora, olha para o teu interior que é lindo, e não há como comparar

***GreenDay*** disse...

ja em relacção ao namorado, eu acredito como devia ser e como devias sofrer,e compreendo-te, mas ele não me larga, sofoca-me, faz me sentir mal, ele pos-me mesmo mal, eu não sei se acredite no que ele disse acerca do outro rapaz, o outro ajuda-me tanto, é tão querido, ele esteve sempre lá =(

***GreenDay*** disse...

olha, para mim vais ser sempre a miss coragem, sempre...e quanto a isso, só tens mesmo que ver o lado positivo de ti, e mentalizares-te que és linda, não entreça o resto, és linda por dentro, por fora, e por sei lá onde
para baixa alta estima estou aqui eu, eu dava tudo, mas tudo por ser diferente, odeio o meu corpo, e não me considero a melhor pessoa
mas quanto a ti, força *-*
com a miss coragem é sempre isso xD