domingo, 19 de junho de 2011

Igreja Católica: a assassina do amor, da tolerância e do respeito

«¿Sabe lo que no es normal? ¿Usted quiere que le diga lo que no es normal? No es normal pensar que hacer el amor es pecado. No es normal pensar que Dios no quiere a las lesbianas y los homosexuales. No es normal que la iglesia oculte abusos de niños. Ni que los sacerdotes no se puedan casar. No es normal la riqueza del Vaticano, ni los anillos, ni el oro, ni el dinero tirado en campañas de publicidad y todo ese beato absurdo mientras 30 millones de personas se contagian de Sida en África por no usar preservativo. Señores, Dios no hizo con dos brazos, y con dos piernas. Y también nos hizo con la capacidad de amar, de querernos, de tocarnos, de sentir con la yema de los dedos un pulso acelerado por la excitación. Y eso, señores, eso... eso no puede ser pecado.»

25 comentários:

S. disse...

Pois deverias pôr esse vídeo e mais um que eu cá sei, da mesma série, só que talvez tivesses que pôr bolinha vermelha... *riso maroto*

Cármen disse...

S.: Eu não pus isto pela parte... hem... hormonal?, mas sim pela crítica - tanto que não legendei o vídeo inteiro, só a parte mesmo crítica.

S. disse...

Eu sei, mesmo assim deverias pôr o outro ahahah

Cármen disse...

S.: Não, porque, para isso, teria de indicar que o meu blogue tem conteúdo para dultos e isso afastaria as crianças de lerem as críticas. :c

Victória J. Esseker disse...

De nada!
Óptimos blogs merecem ser lidos

Cota disse...

"Continuo a dizer que curto da tua maneira de escrever, és 5 *'s"

Isto era para ti, mas a outra senhora (que também é uma bacana, tenho de assumir) adiantou-se a responder e agradeceu...

Eu não sou católico e não acredito na bíblia, mas sim admiro o homem que a escreveu, porque a conta desse livro se criaram as bases da igreja, foram feitos e justificados os maiores horrores que o homem alguma vez assistiu.

É uma obra doutro mundo, realmente xD

Quanto ao amor ser pecado, não acredito que admirar o corpo de uma mulher seja pecado muito menos acho que seja mau fazer sexo por recriação, desde que as coisas sejam feitas com responsabilidade e respeito pelos demais envolvidos no assunto e que possam sair lesados da história.

S. disse...

"Deixai vir a mim as criancinhas", diz a Cármen :P

Riga/V-1-Boy disse...

eu ja tinha comentado este video ou um parecido no blogue daquela menina que supostamente devia de estar a estudar em vez de andar por aqui.lol

S. disse...

http://foto.universia.pt/verfoto/Contemplaao

Que tal para uma primeira tentativa? :P

Riga/V-1-Boy disse...

D. carmen venho por este meio dizer-lhe que é a vencedora do desafio do RMA desta semana.

portanto, até 4f é favor entrar em contacto comigo de forma a eu saber qual a sua escolha. se me vai desafiar( e ai peço-lhe o tema e as linhas orientadoras do mesmo), ou se optar pelo winner's choice e ai preferir escrever um post sobre o que quiser, também terá de mo enviar de forma a eu poder agendar o post para 5f.


para entrar em contacto comigo, acho que o mail está no prefil,e em caso de duvidas pode sempre me contactar ou adicionar no msn, ou perguntar.


sem mais assunto.lol

Cármen disse...

Victória J. Esseker: Isso é um comentário bonito da tua parte. Obrigada. :)

Cota: Eu já senti repulsa por sexo sem amor. Agora já não tanto, embora não o queira fazer. Tem os seus prós e tem os seus contras. O sexo pode ser encarado como o acto mais íntimo como também apenas um prazer colectivo.
O homem? :)) Ou os homens? Eu não os admiro por ter feito sequer tal história fantástica (admitamos que a história de Jesus é agradável), porque a história que a Bíblia conta pode ser lida em documentos mais antigos. Eu nunca consegui ter Fé, mas sempre achei que a Bíblia tinha uma história bonita, embora não devesse ser encarada como mais do que isso: uma história. Até descobrir a origem da história. Ora, não sendo original em quase nada (atrever-me-ia mesmo a dizer nada), nem pelo lado artístico a posso apreciar.
E obrigada pela apreciação, apesar de ter sido desviada sem querer. É bonito da tua parte. Isso, sim, eu considero um elogio. Obrigada. :)

S.: As crianças têm muito para dar e ensinar. Talvez se os adultos se preocupassem mais com a forma como as crianças pensam e sentem e a forma como as tratam não estaríamos assim. É mais incutir o espírito crítico numa pessoa se, desde criança, tentaram ser realistas com ela do que se a educaram com miminhos em excesso e debate a menos.
:O Foste tu quem tirou?!
Está realmente bonita do ponto de vista artístico, embora... sabes, eu tenho alguma repulsa por insectos.
Mas vou deixar de ter!
*arrepia-se*

Riga/V-1-Boy: Até Quarta-Feira inclusivamente ou exclusivamente?
É tão giro que me tratem assim. :3

Cármen disse...

S: É mais FÁCIL. Ando a comer palavras.

Cota disse...

Falar sobre bíblia é tema par um debate milenar... e eu tenho tão pouco para viver xD

De nada moça, quando se acha piada a uma coisa tem de se dizer e pronto ;)

Riga/V-1-Boy disse...

no maximo 4f tenho que agendar, porque irá ser o post de 5f, por isso...lol

Cármen disse...

Cota: Qualquer coisa, dependendo da profundidade com quem que é encarada, é tema para debate milenar. :) Admite lá, tu não sentes é motivação pelo assunto. :))

Riga/V-1-Boy: Hoje ou amanhã. Sem falta. E não te vou ser mais precisa agora porque ambas as opções são muito interessantes. Tenho de pensar bem acerca do assunto.

Cota disse...

Apanhaste-me

Não é o tema mais atractivo para mim... Tive (fui obrigado) de fazer a catequese até ao nível máximo e dos sacramentos sagrados da igreja só me falta o casamento. Já estas a ver a saturação não tas!!? LOL

Cármen disse...

Cota: Compreendo, sim. Eu nunca fiz isso. Fui baptizada com o nome errado e tudo. Sou uma descomungada.
Eu não quero casar pela Igreja, para ser sincera, por não só estar contra a Igreja como também por ter respeito pelos outros crentes e por mim própria, porque seria muita hipocrisia da minha parte fazer um juramento daqueles ao "Senhor"... Pelo registo civil já estive contra, mas agora estou um pouco indecisa (embora isso agora não me chateie).
Pá, espera lá! Então e a beatificação? :o Foste beatificado?!

Cota disse...

Isso é um sacramento que só é dado a quem está morto, ou pelo menos ultimamente tem sido assim... Tem calma, há tempo para tudo... Se bem que, não sou muito santo, não me cheira muito a isso xD


Eu não me vou casar de todo, só pelo facto de achar que os contratos a longo prazo, são uma coisa muito inviável... Sim. porque casar é um contracto, não vejo nada amoroso em casar... O Amor está nas pessoas e não no "status" que elas têm ;)

Cármen disse...

Cota: Sim, esse é um dos motivos que mais rígida me fazem perante o casamento... para além de que quando uma pessoa assina esse contrato é como se declarasse que se compromete a partilhar com o outro os seus bens materiais... o que coloca, inconscientemente, os bens materiais acima das pessoas. Para além de que o amor não é, como dizes, algo que se declara e faz comprometer materialmente: é algo que faz comprometer a partir do momento em que existe, independentemente do resto. Se eu realmente amo uma pessoa, por mais que isso não seja correspondido ou mesmo que ela não tenha conhecimento, eu amo-a e não posso, porque a amo, andar a entregar-me a qualquer um. A pior pena por incumprimento desta lei é, creio, o peso na consciência.
E esta posição eu ando a defendê-la com garras e dentes há algum tempo.
O que me torna mais flexível é eu testar os meus próprios limites. Até que ponto consigo eu defender isto? Não há nada que me faça fraquejar, ser mais mole? Até onde vai esta determinação?
Não sei o que me sucederá para a frente, por isso não posso fazer já um julgamento definitivo. Talvez aconteça algo que mude a minha forma de pensar, talvez não. Não sei.

Cota disse...

Concordo com cada virgula. Principalmente, concordo com as 3 ultimas frases.

Tamb+em vivo o mesmo dilema
=]

Cármen disse...

Cota: É o problema da imprevisibilidade. Nunca podemos garantir o que vai acontecer.
Ainda hoje, ao despedir-me duma senhora de quem gosto muito que trabalha no bar lá da escola (ela não sabe se é contratada para o ano ou não), disse-lhe:
- Não sei se vejo daqui a três meses, daqui a um ano ou se a volto a ver mais alguma vez, por mais que a D.ª Bela volte a trabalhar aqui. A única que nos é certa é que nos estamos a despedir agora.

H. Santos disse...

"Não sei o que me sucederá para a frente, por isso não posso fazer já um julgamento definitivo. Talvez aconteça algo que mude a minha forma de pensar, talvez não. Não sei."

Eu continuo a achar que o casamento é uma treta. Vamos brincar de "mentirinha" os dois!!?

Cármen disse...

H. Santos: Hum?!

H. Santos disse...

Nada, deixa estar

Cármen disse...

H. Santos: Diz lá...