segunda-feira, 2 de agosto de 2010

sonho real

Hoje sonhei e impressionei-me. Nesse mesmo sonho, mostrei-me mais perspicaz e perigosa do que julgava realmente ser. Porém, apesar de desenrascada, senti uma vez mais o sabor do medo... e descobri o quão parecida sou a quem me criou: quando o medo e o pânico me sufocam, apenas uma onda de raiva transparece e flutua à superfície. Talvez seja por isso que apenas eu realmente o compreenda e acredite que mais ninguém me compreenda, pois ninguém parece ser observador e perspicaz o suficiente para entender-me: recuso a dar definições de mim mesma, não sou algo fixo e material a esse ponto!

Afinal, um sonho tem a capacidade de nos despertar para a realidade.






Engraçada a forma como escolhi esta imagem e só no fim me apercebi da sua semelhança com aquela que dirige o título do blogue.

7 comentários:

Cota disse...

Serenata à luz da vida,
carne enfraquecida
Meu coração montou o palco para receber a minha diva
Amor em estreia,
canta para mim sereia
Espalha por mim essa mística fragrância de uma estrela
Tu és mulher,
mulher de palavra e meia
Não és capaz de te escravizar por uma algibeira cheia
Não és como essas cadelas que qualquer homem prende na trela
Não precisas de mostrar o corpo, a tua alma é mais bela
Pintura sem tutela, desejada por qualquer tela
Tenho o meu coração em branco à espera da tua chancela
Ele coroa-te rainha, agora chama-me para ser rei
No meu peito ele bate veloz como Cassus Clay
Não há lei, sentimento preso já o libertei
Se tu és mulher, nenhum homem pode ser gay.
Exibes-te no interior, para ti vestuário é secundário
O teu cérebro é insaciável porque o saber é prioritário
Por ti sinto amor platónico que nem Platão imaginou
Diva, mulher que Deus amou

É um coração que traz palavras para embarcar no flow
É uma mente que fala e já sabe para onde eu vou
Amor que nasce cresce,
alma rejuvenesce
Descobri a minha vida,
mulher que Deus amou tu és.

É um coração que traz palavras para embarcar no flow
É uma mente que fala e já sabe para onde eu vou
Amor que nasce cresce,
alma rejuvenesce
Descobri a minha vida,
mulher que Deus amou tu és.

Só falo de amor não falo do teu rosto nem desses peitos que encantam
Não é acerca do teu físico porque olhos não amam
Eu falo do coração que sente, quando ama não mente
Amor ninguém compreende,
é transcendente
Durões, dizem que não amam porque é sinal de fragilidade
Mas eles são os mais frágeis porque não têm a outra metade
Alimento-me desse sentimento nos sete dias da semana
E todas as semanas vou aumentando quilogramas
Mamma, tu és irreal, intangível como um holograma
O cúmulo da utopia de qualquer fêmea humana
O que sinto é *amor*,
e desta vez não me engano
Não preciso do meu pénis teso para dizer que te *amo*
Não preciso de estar carente para querer o teu abraço
Não preciso de te penetrar para chegar ao clímax
Só preciso de estar contigo, conversar contigo, o amor é estranho
Um orgasmo mental espontâneo
Só preciso de estar contigo… o amor é estranho
Lá vou eu ejaculando, espermatozóides no crânio

É um coração que traz palavras para embarcar no flow
É uma mente que fala e já sabe para onde eu vou
Amor que nasce cresce, alma rejuvenesce
Descobri a minha vida,
mulher que Deus amou tu és

É um coração que traz palavras para embarcar no flow
É uma mente que fala e já sabe para onde eu vou
Amor que nasce cresce,
alma rejuvenesce
Descobri a minha vida,
mulher que Deus amou tu és.

Cota disse...

Só a maquete do que penso de ti

Adoro-te minha "pequena"

Cármen disse...

Cota: Abismada. Queda, por completo. Sem palavras.

Cota disse...

Isso só porque tu és um sonho real xD

Cármen disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cármen disse...

Cota: Ficarias admirado se eu te contasse acerca de todas as vezes em que sonhei com alguém como tu...

Cota disse...

Não me admirava nada, tenho o mesmo a dizer ;)