segunda-feira, 28 de abril de 2008

Um mundo só meu,

Quero um mundo só meu,
Sem tempo nem espaço.
Quero sofrer o que mereço,
Mas sem sofrer pelo que não esqueço.
Um mundo onde ninguém critique o que faço.
Um mundo onde haja contraste,
Apenas com a tua arte.
Um mundo só meu e teu.

Tudo me magoa em meu redor,
Porque as ideias dos outros vencem sempre,
Não interessando o que me vai na mente.
Mas todos se esquecem que quem ri por último, ri melhor.

Todos os meus sonhos se vão realizar,
Num mundo em que para vencer é preciso lutar,
Num mundo só meu, teu e de todos nós.

2 comentários:

S. disse...

Tão simples e tão lindo :)

Cármen disse...

S.: Obrigada. :) Eu também gosto, apesar de o ter achado um pouco complexo naquela altura. Mas nada mau para uma pitinha de 14 anos, hem? :b
E é curioso como agora sou muito mais... madura e ainda assim os ideais mantém-se. A atitude pode ter sido muito diferente, mas no fundo era a mesma rapariga. E é por isso que já não olho para trás com a mesma repugnância e a mesma vergonha com que olhava há dois anos atrás.
E orgulho-me de hoje poder dizer que o conteúdo deste poema já esteve muito mais perto de ser meramente ideológico. :D